Oi gente, como vocês estão? Temos visto os casos de depressão e crises de ansiedade dispararem nesse momento sensível que estamos vivendo. Então resolvemos falar um pouco sobre a residência em Psiquiatria. Quem escolhe seguir essa especialidade assume a tarefa de lidar com as complexas interfaces entre doenças emocionais e físicas.

Para um médico se especializar em diagnosticar, tratar e prevenir desordens mentais e problemas emocionais são necessários quatro anos de especialização, após a graduação, e mais alguns extras para subespecializações. O treinamento extenso permite que o psiquiatra entenda o funcionamento do corpo e possa distinguir entre as causas físicas ou psicológicas das manifestações dos pacientes.

Os requisitos exigidos nos programas de psiquiatria são estabelecidos pelo ACGME (Acreditation Council for Graduate Medical Education) e pelo American Board of Psychiatry and Neurology. Somente após conseguirem suas qualificações, esses médicos podem seguir fazendo fellowships. Os cursos de Psiquiatria de Adição (tratamento de dependências químicas), Psiquiatria Forense, Psiquiatria Geriátrica, Medicina Paliativa, Controle da dor, Medicina Psicossomática e Medicina do Sono têm duração de 1 ano. Já a subespecialidade Psiquiatria da Criança e do Adolescente exige dois anos de estudo especializado. Durante a residência, as bolsas de estudo variam, em média, de US$56,000/ano (R1) a US$67,000/ano (R4).

Apesar de ser uma das especialidades médicas mais antigas, os avanços recentes das neurociências permitiram novas tecnologias de diagnóstico e tratamento para doenças psiquiátricas, ampliando as fronteiras nos estudos da área. De um modo geral, quem escolhe essa especialidade busca diversidade e flexibilidade. Aqui nos EUA, ainda que alguns psiquiatras trabalhem apenas em um local, muitos optam por combinar a prática de consultório com o trabalho em hospitais ou centros comunitários.

E aí, se identificou? Em 2018 foram oferecidas 1.556 vagas de residência em psiquiatria (relação candidato x vaga de 1,53). Entre os 2.383 candidatos, 370 eram Non-US IMGs (candidatos de outras nacionalidades com formação em universidades estrangeiras). Se quiser saber quais são os programas IMG Friendly (que mais receberam estudantes estrangeiros), você pode clicar aqui.

E precisando de mais informações sobre o processo de validação do diploma médico nos EUA, manda um Direct pra gente conversar. Tem turma nova começando em 26 de maio!

Um abraço,
E até a próxima,
Juliana Soares Linn

Share This
%d blogueiros gostam disto: