Oi pessoal!

Se você quer seguir carreira em Medicina da Família, uma boa opção para sua residência médica é o Canadá. O país tem um programa bastante amplo e interessante, especialmente em algumas províncias, e a mão de obra especializada, como a do médico, é altamente valorizada.

Embora esta seja uma das residências médicas com mais vagas em aberto, boa parte dos estudantes canadenses não escolhem esta área. Só em 2020, cerca de 170 vagas para residência em Medicina da Família não foram preenchidas em todo o país, segundo o jornal Toronto Star.

Mas por que isso acontece? Existe certo preconceito entre os estudantes canadenses com a área, que acreditam que um médico que escolhe seguir Medicina da Família o fez por não obter pontos suficientes para seguir em uma especialidade. Não passa de preconceito: além de ter um programa de residência reconhecido, áreas com grande adesão no Brasil como Pediatria e Cirurgia Geral também figuram entre as menos concorridas.

Como o Canadá forma um número baixo de médicos por ano – são apenas 17 faculdades de Medicina em todo o país! – os estudantes canadenses preferem insistir em seguir para  alguma especialidade. Por isso, também, a maioria das vagas são preenchidas pelos IMG, como são chamados os International Medical Graduates

Uma vez vencido o preconceito, um Médico da Família se torna muito bem remunerado: ele recebe, anualmente, cerca de $250 mil dólares canadenses por ano – e esse valor pode chegar a $350 mil, de acordo com seu tempo de experiência. 

A Medicina da Família é um dos caminhos mais curtos para o estudante de Medicina no Canadá. Após a residência, que tem duração de dois anos, alguns profissionais ainda passam mais um ano estudando especializações complementares, como geriatria, cuidados paliativos ou saúde da mulher. Os médicos são treinados para atender pacientes de todas as idades, de mulheres grávidas a recém-nascidos, adultos e idosos. Eles podem trabalhar em hospitais, consultórios ambulatoriais, ou mesmo casas de repouso para idosos.

Para quem acha que a área pode ser enfadonha, este é mais um engano. Os pacientes podem chegar com demandas comuns, como exames de rotina e pressão arterial alta, mas também podem aparecer com doenças mais específicas, como lúpus ou epilepsia. Ou ainda chegar com sintomas muito vagos, que podem representar uma série de complicações. O médico da família precisa estar apto para investigar, já que muitas vezes o paciente não tem condições para seguir para uma especialidade.

Um dos pontos positivos que a maioria dos residentes relatam é o bom equilíbrio entre carreira e vida pessoal. Os profissionais de Medicina da Família seguem uma rotina muito bem definida, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, o que significa finais de semana livres e sem plantões no meio da madrugada.

Se você quer saber mais como se aplicar para o processo de residência médica no Canadá, pode consultar esta postagem do nosso blog ou nos chamar pelo direct do Instagram, para tirar todas as suas dúvidas. Conte conosco para se preparar para o MCCQE! Residência médica no exterior é nossa especialidade!

Share This
%d blogueiros gostam disto: