[:pb]Nos EUA, existem mais vagas para residência médica do que formandos americanos, o que faz com o que o país ofereça oportunidades para estudantes formados em universidades estrangeiras. Como concorrem a um número menor de vagas, a disputa torna-se mais acirrada, elevando também as exigências para o candidato conseguir o tão sonhado match.

Para concorrer, TODOS (americanos e estrangeiros) precisam passar nas provas do United States Medical Licensing Examination (USMLE). São duas provas teóricas (Step 1 e Step2 CK) e uma prova prática (Step 2 CS). A diferença é que, como a relação candidato x vaga é maior para os IMGs (International Medical Graduates), eles acabam tendo que alcançar notas mais altas do que os americanos.

Os estudantes americanos costumam fazer a prova do Step 1 (Ciências Básicas) entre o segundo e o terceiro ano da Med School. Apesar de a nota de corte ser 194 (de um total possível de 280), na prática, a média necessária para entrar para uma residência gira em torno de 230. No caso de estrangeiros, esse número sobe, no mínimo, para 235 pontos. Mas isso varia muito de ano para ano e de especialidade para especialidade. Para especialidades mais concorridas, como Neurocirurgia, por exemplo, em 2018, a nota chegou a 246 para IMGs.

Já o Step 2 CK compreende questões sobre o ciclo clínico: Medicina Interna (praticamente 50% do total), Ginecologia e Obstetrícia, Psiquiatria, Pediatria, Epidemiologia, Saúde Pública e Cirurgia. Então, o ideal é que você já esteja numa fase mais avançada da faculdade, durante o internato, por exemplo, quando for fazer esse exame. Apesar da nota de corte ser 209, candidatos estrangeiros precisam tirar em torno de 240 para sonhar com a vaga. Em 2018, foram precisos 249 pontos no Step 2, para um estrangeiro entrar para residência em Cirurgia Geral.

De acordo com o National Resident Matching Program® (NRMP®), 58,8% dos IMGs que participaram do Match 2019 conseguiram uma posição de residência no primeiro ano. Além das notas das provas, são consideradas as experiências em estágios realizados nos EUA, as cartas de recomendação que o candidato apresenta e o Personal Statement (uma espécie de redação em que o estudante deve se apresentar e convencer a banca por qual motivo ele é a melhor opção para preencher aquela vaga).

Em 2019, mais de 50% das vagas de residência preenchidas por IMGs foram para programas de Internal Medicine, seguido (de longe) por Medicina da Família, Pediatria, Cirurgia, Patologia e Neurologia. Na hora de escolher para que especialidade se inscrever, a distribuição por estado também deve ser considerada. Em 2019, o estado que ofereceu mais vagas para IMGs foi Nova York (876 vagas, sendo praticamente 60% para Internal Medicine).

É possível aplicar para mais de uma especialidade, mas a ficha do candidato deverá refletir que ele é uma boa opção para aquela vaga. Então, antes de tomar uma decisão, o ideal é se debruçar nos dados disponíveis sobre a relação candidato/vaga por especialidade e as vagas oferecidas/preenchidas por estudantes vindos de universidades estrangeiras.

Na média, candidatos estrangeiros costumam aplicar para 60 a 100 programas. (Isso mesmo, você não leu errado!). Pesquise para saber quais são as melhores opções para o seu perfil. Existem alguns bancos de dados que podem te ajudar nesse caminho:

FREIDA™The American Medical Association (AMA) Residency & Fellowship Database

Residency ExplorerAmerican Association of Medical Colleges (AAMC)

Residency DirectoryAmerican Academy of Family Physicians (AAFP)

Interactive Internal Medicine Residency DatabaseAmerican College of Physicians (ACP)

Association of American Medical Colleges – AAMCSpecial Note to IMG Applicants

Achou que tem muita coisa para levar em consideração? Quer um motivador? No primeiro ano de residência, a grande maioria dos alunos aprovados já começa a receber uma bolsa de 60 mil USD por ano, mais o seguro saúde. E, depois de formado, nos Estados Unidos não faltam vagas para médicos, que, em média, recebem salário inicial em torno de 200 mil dólares por ano (como base de comparação, o salário mínimo é 7,25 USD/hora).

E então? Trabalhar nos Estados Unidos está nos seus planos? Vem com a gente! Aqui na MBSA nosso sonho é ajudar você a realizar o seu!

Um abraço,
Juliana Soares Linn

[:]

Share This
%d blogueiros gostam disto: