Oi pessoal!

Preparar-se para ser médico no exterior é uma longa jornada, que passa por muitas fases e até mesmo mudanças de planos. Por isso, muitos profissionais optam por “experimentar” antes de tudo e partem em direção a um estágio.

Existem diversas modalidades de estágio em Medicina nos Estados Unidos – e você pode entender como cada um deles funciona neste post do nosso Blog da Residência Médica no Exterior – mas vamos focar no observership desta vez. Nesta modalidade, o médico pode entrevistar o paciente, mas não pode realizar o exame físico. Ele pode ser realizado durante a graduação, mas costuma ser uma opção principalmente para quem já se formou.

Dentre os diversos benefícios de realizar um observership antes de partir rumo à residência é que essa é uma ótima forma de ampliar – ou criar! – sua rede de contatos. É a partir de um networking sólido que você, candidato à residência nos EUA que está prestando o USMLE, vai conseguir a tão desejada recomendação de professores e profissionais, para o match.

Conversei com um de nossos alunos, Márcio Yuri Ferreira, que participou de um programa de observership em Cirurgia Plástica, em Miami (EUA). De aluno para aluno, vale a pena fazer observership nos Estados Unidos? Confira a entrevista:

Conte-nos um pouco de sua experiência: como foi seu processo de candidatura e aprovação no observership?

Consegui ser aceito através da recomendação de uma professora ao qual sou orientando em projetos de pesquisas e projetos de ensino.

Por que você escolheu fazer observership nos Estados Unidos? Agregou algo à sua carreira?

Escolhi porque gostaria de conhecer a realidade da medicina lá nos Estados Unidos. Tenho um sonho: tornar-me um bom médico, especificamente, um bom cirurgião plástico. Para isso, preciso ter melhor formação técnica-científica e humanística que eu conseguir, não é? Bom, indo para os Estados Unidos, teria acesso ao que está sendo feito de mais atual na prática médica dentro da especialidade.

A minha ida para o estágio nos Estados Unidos transformou a minha formação, fez com que o meu sonho se tornasse ainda mais intenso e com uma grande diferença, além de mais intenso muito mais palpável!

Além dos EUA, que outros países vale a pena considerar na hora de escolher fazer um observership de Cirurgia Plástica fora do Brasil?

Acredito que valeria a pena fazer no Canadá e na Alemanha!

Fazer observership nos EUA conta pontos para quem pretende prestar o USMLE?

Sim! Conta e conta muito. Existe-se a necessidade de cumprir os requisitos básicos, como por exemplo as cartas de recomendação. Através do estágio foi possível que eu mostrasse o meu potencial para os cirurgiões plásticos que acompanhei e adquiri um contato que hoje rendeu em algumas pesquisas e trabalhos científicos em andamento.

Além da questão de possivelmente conseguir a carta de recomendação para cumprir os requisitos, a participação em um estágio nos Estados Unidos é capaz de fornecer um arcabouço de conhecimento, networking e habilidades que são muito mais importantes e potencializadoras da formação acadêmica do que o que está “escrito no papel”. Há muita coisa por trás!

Quanto uma pessoa gasta, em média, para conseguir participar (incluindo viagens e taxas de inscrição)?

Olhe, existem inúmeras maneiras de conseguir o estágio. Alguns são pagos e outros gratuitos, em um estágio gratuito como o meu, o gasto é com passagens e hotéis e isso pode variar muito. Mas não é necessário uma grande quantidade de dinheiro para conseguir se manter: em um estágio gratuito, é possível ir no modo “estudante” e viajar em classe econômica e ficar em hotel “standard”. Além de claro, comprar tudo com bastante antecedência.

Quais as vantagens de fazer um observership fora do Brasil?

Resumidamente: Conhecer o cenário médico dos Estados Unidos, a cultura médica de lá, a prática médica, conhecer e fazer-se conhecido para médicos da especialidade que você deseja, acrescentar esse estágio em seu currículo (para processos seletivos), conhecer a cultura americana – que é totalmente diferente da brasileira -, e abrir caminhos para que você um dia possa exercer a medicina lá, caso queira.

E quais seriam as desvantagens?

A única desvantagem seria que você gasta em dólar, mas acredito que é muito mais um investimento do que um gasto. Diga-se de passagem, um dos melhores investimentos que já fiz na vida.


Você pensa em fazer um observership no exterior? Então entre em contato conosco: oferecemos consultoria individual e assessoria educacional, para planejamento de carreira médica no exterior, incluindo avaliação de países, instituições, processos de revalidação, especialidades e outros pontos de interesse do candidato!

Share This
%d blogueiros gostam disto: