Oi pessoal, assim como no Brasil, aqui nos Estados Unidos, a residência médica em Cardiologia é uma especialidade bastante concorrida. Aqui na Academia acreditamos que a trajetória para fazer um sonho se tornar realidade começa com uma boa pesquisa para levantar informações e traçar metas e prazos realísticos.

Nesse contexto, resolvemos apresentar a carreira em números: pra começar, você tem que estar disposto a dedicar 13 a 14 anos de estudo para sua formação. Esse é o tempo necessário para se tornar um cardiologista nos Estados Unidos. Se você é um IMG (International Medical Graduate), você já terá passado pela graduação em seu país, mas, ainda assim, precisará cumprir os 3 anos de residência em Internal Medicine e mais três em Cardiologia. Se quiser seguir em uma das subespecialidades, some aí mais outros 2 ou 3 anos de estudos intensivos.

Durante a residência, a carga horária média é de 80 horas semanais e inclui rotações clínicas e pesquisas para que, ao final do treinamento, os profissionais sejam capazes de avaliar e gerenciar pacientes; dominar os mecanismos, manifestacões clínicas e estratégias de diagnósticos; implementar cuidados primários e secundários e encaminhar pacientes para subespecialidades; entender e avaliar as diferentes opções terapêuticas de acordo com as necessidades dos pacientes; e dominar as técnicas para tratamento contínuo de pacientes com doenças cardiovasculares.

Sobre o número de profissionais e vagas disponíveis, dados de 2017 indicam que a proporção de cardiologistas por 100.000 habitantes é um pouco maior no Brasil (7,47) do que nos Estados Unidos (6,83), mas em números absolutos, os EUA abriram 855 novas vagas para residentes em 193 programas de cardiologia, enquanto o Brasil ofereceu 502 vagas em 167 programas, nesse mesmo período.

Daí você pensa: ok, vale a pena, estou disposto a encarar essa jornada, mas como me manter por tanto tempo com uma rotina pesada de estudos que não permite trabalho remunerado? Durante os anos de residência, o estudante pode receber uma bolsa de estudo que varia em torno de US$4.500 (PGY1) a US$5.600 (PGY7). Acrescente a essa equação a possibilidade de remuneração em torno de US$ 30.000 mensais, após sua formação e a decisão talvez ganhe ainda mais atrativos.

Se, por um lado, a rotina de treinamento é puxada, o caminho até a conquista de uma vaga também não é fácil e exige trabalho duro e muita dedicação. Mas quem é que tem medo de desafio? Se você tem o sonho de tentar uma vaga para residência médica nos EUA, comece a se planejar o quanto antes! Conte com a gente se precisar de ajuda para tomar decisões na hora de escolher a melhor forma de trilhar esse caminho.

Aqui na MBSA nossos alunos têm assessoria personalizada durante todo o percurso de validação do diploma médico. Só mandar uma mensagem que teremos o maior prazer em conversar com você!

Até a próxima,
Juliana Soares Linn

Share This
%d blogueiros gostam disto: