Olá, pessoal!

Nossa volta ao mundo nos leva, hoje, ao Reino Unido! Independente do país onde você deseja viver, deve passar pelo mesmo processo de revalidação do diploma, que é o que vamos explicar aqui!

O primeiro passo dado por qualquer recém graduado em Medicina, que deseje trabalhar no UK, é completar o Foundation Programme, composto por dois anos (FY1 e FY2), exceto quando este já completou treinamento equivalente em outro país (você pode checar no site do General Medical Council).

De qualquer forma, os IMGs devem preencher os seguintes requisitos:

  1. Certificado de proficiência em inglês

Os dois exames aceitos são o IELTS (prova bem conhecida, que abrange diversos temas) e o OET (prova específica para inglês médico, sobre a qual falamos brevemente aqui no blog). Você só poderá seguir para as próximas provas quando tiver resultado satisfatório nesta etapa.

  1. Entrega de documentos

Como dito anteriormente, sua formação ditará o caminho a ser percorrido. Neste momento, sua formação acadêmica será verificada para garantir que preenche todos os requisitos e critérios. Aqueles que não tiverem completado o equivalente ao Foundation Programme receberão registro provisório ao final do processo.

  1. PLAB 1

O Professional and Linguistic Assessment Board, realizado em múltiplas datas, porém, fora do Brasil, consiste em 180 questões de múltipla escolha, que avaliarão seus conhecimentos e a aplicação deles em casos clínicos.

Apesar de resultar em uma pontuação, somente a informação “aprovado/reprovado” será relevante. Diferentemente do USMLE, sua aprovação em diferentes programas não dependerá do seu score exato.

  1. PLAB 2

A segunda etapa do exame é uma prova prática, composta por 18 estações com atores profissionais, que devem ser atendidos como pacientes enquanto um médico examinador avalia seu desempenho.

O intuito da prova é testar sua comunicação, relação com o paciente e seus conhecimentos, além da sua capacidade de diagnosticar e realizar procedimentos.

A partir daí, há vários caminhos possíveis para seguir. Caso você tenha recebido o registro provisório, deverá completar o Foundation Programme, podendo entrar no primeiro ou segundo ano, dependendo da sua formação. No caso dos formados no Brasil, muitos têm como primeiro emprego no UK o FY2.

Após completar no FY2, seu caminho será guiado de acordo com a especialidade escolhida ou, ainda, se deseja se tornar um General Practitioner, o médico da família, que passa por três anos de treinamento.

Caso deseje se especializar, deverá checar qual o tipo de treinamento para a especialidade que escolheu.

Algumas especialidades são as chamadas Uncoupled Specialties, que têm treinamentos mais longos e requerem a realização do Core Training, que dura em torno de dois anos. Nestes casos você passará por dois processos de application.

Já as Run-Through Specialties contam com apenas um processo de application e podem ser iniciadas assim que o FY2 for finalizado. No entanto, outros requisitos podem ser necessários para aprovação, como experiência em pesquisa e publicações na área. Essas informações podem ser acessadas através dos sites das Royal Colleges de cada especialidade.

E aí, já pensou no caminho que gostaria de trilhar a partir de agora? Caso tenha dúvidas sobre o processo e deseje receber consultoria personalizada para te ajudar a realizar o sonho de ser médico no exterior, entre em contato conosco através do Instagram! Nós vamos adorar conhecer melhor sua história e fazer parte dessa jornada com você!

Share This
%d blogueiros gostam disto: