[:pb]Hello, guys. Já falamos aqui sobre as experiências de estágios no artigo do dia 29/05, mas esse é um assunto que sempre volta e, a cada vez, surgem novas dúvidas de quem procura nossa consultoria para saber como funciona. De verdade, comprovar experiência clínica nos Estados Unidos é um fator que conta bastante na hora de concorrer a uma vaga de residência médica por aqui. Se a gente analisar com cuidado, está tudo interligado.

A licença para exercer medicina nos EUA só é concedida após a conclusão de um programa de residência local que, por sua vez, usa uma série de critérios para avaliar os candidatos: além dos resultados nos exames do USMLE, são consideradas as cartas de recomendação relevantes para a residência (LORs – Letters of recommendation) , seu personal statment e seu histórico de atuação.

Nem todos os programas exigem uma USCE – US Clinical Experience. Mas, provando meu ponto de que tudo está conectado, todas as escolas pedem que você apresente cartas de recomendação. E as melhores chances de você conseguir cartas de recomendação de profissionais americanos é tendo feito um estágio por aqui, certo? O conceito gira em torno da ideia de que mesmo que um profissional tenha anos de experiência em seu país de origem, só é possível avaliar se ele será capaz de lidar com as exigências do trabalho em um ambiente hospitalar americano se ele, de fato, se submeter à rotina local.

Quando pensamos em estágio, é bom lembrar que existem dois tipos de experiências. As mais valiosas para você são as conhecidas como hands on experience. Para os estudantes de medicina estas são os clerkships, clinical electives e sub-internships, e para os médicos já formados são os externships: em todas essas você poderá, efetivamente, acompanhar seus mentores nos procedimentos com pacientes. Nos estágios hands-on você tem as mesmas atribuições dos estudantes de medicina americanos. No sub-internship, inclusive, você vai atuar com um residente do primeiro ano (intern). Nesses casos, normalmente, você vai ser o responsável por um volume maior de pacientes e vai poder sugerir a conduta, sempre sob a supervisão de um residente responsável.

Se você ainda é estudante, conseguir uma USCE deve estar na sua “To do list” . Agora, se você já é formado, conseguir uma hands on experience do tipo externship é muito mais difícil e suas opções, na maioria das vezes, se limitarão ao que chamamos de shadowing only – ou seja, os observerships – em que os alunos observam os preceptores no seu trabalho, mas, uma vez que não existe o vínculo estudantil, não podem ter nenhuma interação direta com pacientes. Mesmo com as limitações, a experiência te permitirá conhecer as rotinas e criar conexões com pessoas que podem ser importantes na hora de conseguir suas cartas de recomendação.

Clerkships, clinical electives, observerships or externships?

1. Clerkships & clinical electives

Para estudantes de medicina dos EUA, esses programas normalmente são realizados no 3º e no 4º ano no hospital da escola de medicina ou de suas afiliadas. Para IMGs (International Medical Graduates), o estágio e as rotações eletivas fazem parte do currículo de educação clínica.
Esses estágios são pagos e para conseguir uma vaga geralmente exigem um processo de aprovação ou afiliação direta à sua escola. Sobre os requisitos, cada instituição segue seus padrões. Te adianto, no entanto, que a maioria delas vai te pedir a nota (pelo menos) do Step 1 do USMLE, um comprovante de proficiência na língua (dispensável para quem já fez o Step 2) e uma letter of intent (em que você vai falar sobre quem você é e quais são as suas motivações).

2. Observerships

Esses programas são abertos para estudantes graduados e podem ter diferentes configurações: hospitais, clínicas, atendimento ambulatorial, atendimento de urgência, etc. O objetivo aqui, além de contribuir para sua educação clínica, claro!, é causar uma boa impressão. Algumas maneiras de fazer isso podem incluir: tentar participar de pesquisas, oferecer-se como voluntário para apresentar casos, trabalhar em equipe e receber as cartas de recomendação (LORs).

3. Externships for IMGs

Ainda que mais rara, há ainda essa opção de um médico formado no exterior fazer um estágio do tipo externship. As ofertas são poucas, mas se você conseguir uma oportunidade, essa é uma ótima pedida, uma vez que conta como experiência clínica (hands-on experience).

4. Research elective:

Com programas de pesquisa em uma universidade de renome, os estudantes de medicina podem obter crédito acadêmico. Mas tenha em mente que estas não são consideradas experiências clínicas.

E aí? Clareou um pouco? A escolha de um programa de estágio requer muitas tomadas de decisões. Qualquer dúvida, entra em contato conosco. Para todos os alunos da academia, a ajuda neste processo já está incluída nos nosso serviços.

Até a próxima,
Um abraço,
Juliana Soares Lin[:]

Share This
%d blogueiros gostam disto: